OPINIÃO DO CENTRO

Comunicação
Perspectivas e ações correspondentes sempre apareceram como palavras frequentes no diálogo institucional do Centro de Citricultura, frente aos novos cenários da citricultura. Nesse contexto, hoje olhamos para mudanças da liderança da Secretaria da Agricultura e Abastecimento no estado de São Paulo e buscamos antever demandas que virão para o melhor entendimento da nossa contribuição de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) para o setor. Antever essas demandas torna-se uma boa estratégia institucional, ademais, responder essas mesmas demandas torna-se uma clara necessidade. Essa postura é possível ao identificarmos no grupo de trabalho do Centro de Citricultura a afinidade que demonstra pelo desafio e a capacidade que possui para o trabalho. Dentro das nossas características, temos envidado esforços para sermos atores da comunicação, destacadamente acadêmica, buscando ainda ampliar a transferência do conhecimento com a comunicação mais técnica, desde a análise de contextos que fundamentam projetos de pesquisas até o estabelecimento de recomendações de práticas requeridas no campo para a sustentabilidade da produção e garantia do atendimento ao consumidor, justificando desta forma todo investimento público e/ou privado aplicado em nosso ambiente de trabalho. Contudo, estar na vanguarda das instituições de PD&I no Brasil e no exterior requer esforços contínuos para novas iniciativas, resultantes da avaliação daquilo que realizamos, para então melhorar aquilo que fazemos, mesmo que muito bem, e reinventar aquilo que requer mudanças. E como desenvolver tudo isso de forma pragmática? Certamente mantendo o entusiasmo que nos trouxe até aqui, como também somando esforços com os vários integrantes da cadeia produtiva da citricultura. Não limitados a essas questões anteriores, temos que responder a novas mudanças da Secretaria da Agricultura e Abastecimento com a apresentação do Centro de Citricultura, sua contribuição, sua capacidade de ação e sua visão de um dos mais importantes setores do agronegócio paulista e brasileiro.

Comentários