PESQUISA DO CENTRO

Uso da engenharia genética possibilita geração de plantas resistentes à CVC

Em função dos danos econômicos e ambientais decorrente dos problemas fitossanitários que afetam a citricultura, o programa de biotecnologia do Centro de Citricultura vem trabalhando no desenvolvimento de novas tecnologias visandoum manejo mais sustentável.Uma velha conhecida da citricultura é a clorose variegada dos citros (CVC), causada pela bactéria Xylella fastidiosa. Essa doença é considerada endêmica, estando presente em todos os estados que têm cultivo comercial de laranja doce. Até muito recentemente, a X. fastidiosa causava danos às culturas apenas nas Américas; no entanto, em 2013, foi constatada como responsável pelamorte de milhares de oliveiras no sul da Itália. Desde então, a bactéria foi encontrada em outros países do continente europeu, sendo motivo de grandes preocupações em relação à segurança alimentar na União Europeia. No Brasil, apesar da X. fastidiosa causar doença em todas as variedades de laranja doce, as tangerinas (Citrus reticulata) são resistentes à CVC. Baseado nesse conhecimento, o perfil de expressão de genes de defesa em tangerina foi analisado. Os resultados revelaram genes chaves que poderiam ser transferidos para laranja doce. Essa abordagem é bem atrativa, pois como as tangerinas são sexualmente compatíveis com laranjas, a transferência de genes por engenharia genética apenas acelera um processo que pode ocorrer naturalmente no meio ambiente, porém, os resultados levariam anos para serem avaliados e a progênie selecionada. Ainda, visando acelerar a escolha de genes promissores, os pesquisadores desenvolveram um sistema de screening rápido onde transferem os genes previamente selecionados para a planta modelo Arabidopsis thaliana, abreviando pelo menos 18 meses de trabalho. Os primeiros resultados das plantas de laranja doce contendo gene de tangerina foram publicados recentemente na revista Molecular Plant Microbe Interaction (https://doi.org/10.1094/MPMI-10-19-0298-R). Nesse trabalho um gene de tangerina (fator de transcrição) que é ativado quando o patógeno entra na planta, e então ativa vários genes do sistema de defesa vegetal, foi capaz de promover alto nível de resistência à X. fastidiosa. Como o sistema de defesa vegetal é conservado para muitos patógenos, outros fitopatógenos, como os causadores do cancro cítrico e HLB, estão em fase de teste para verificar uma possível resistência em amplo espectro.

Alessandra Alves de Souza

Comentários